Mostra pode ser visitada até o dia 30 de março, em Jurerê

A Galeria Venere, em Jurerê, que vem abrindo as portas para diferentes exposições e experiências ligadas à arte, apresenta “Eu, Ultimamente”, do artista catarinense radicado em São Paulo Eduardo Jurek. O vernissage acontece nesta quinta-feira (22), das 19h às 22h, e depois a exposição ficará aberta ao público, com entrada gratuita, até dia 30 de março.

Formado em Design pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Eduardo realiza trabalho estritamente inspirado nas linhas gráficas vetoriais, com início, meio e fim bem delimitados. O estilo abstrato e linear é uma metáfora a diversas camadas da vida cotidiana: o caminho da vida, as ondas cerebrais, os altos e baixos sentimentais, o trajeto que se percorre. Ao optar por não utilizar os bastidores em suas telas, o artista dá mais maleabilidade e permite que a obra seja itinerante, que não tenha um espaço finito.

“Eu estou muito animado e super ansioso para minha primeira exposição solo”, fala o artista sobre a expectativa de mostrar suas criações para o público na Galeria Venere. ‘“Quero aproveitar a inauguração da exposição com meus amigos e minha família, porque acho que esse momento marca um rito de passagem na minha vida, talvez o momento onde eu crie coragem para dizer finalmente que sou um “artista””, reflete Eduardo. E completou: “Espero que com essa exposição eu possa levar minha arte para outros lugares e produzir muito mais. Meu maior sonho é ter um ateliê onde possa produzir telas cada vez maiores e quero produzir mais vídeo-artes, curtas e possivelmente longa metragens no futuro.”

Sobre um vídeo que será exibido numa tela na exposição, o artista explica: “Fiz um vídeo-arte em parceria com minha amiga diretora de fotografia Ana Yamada Motta e meus amigos atores Rodrigo Lima Romano e Heitor Garcia (que atuou na montagem brasileira de “The Boys in the Band”) que simboliza minha observação sobre os relacionamentos atuais… estamos em constante movimento, encontramos diversas pessoas e sempre deixamos algo nelas e elas na gente. Esse “Abraço-Carimbo” representa os encontros profundos ou não e as mudanças que essas pessoas causam nas nossas vidas. Eu usei dois atores homens pois me identifico como uma pessoa não-binária de aparência masculina e sou gay, me relaciono com homens, então o vídeo representa bastante das minhas vivências no campo de relacionamentos atualmente.”

Imagem em destaque: Amanda Ramos