Da Plural Filmes e com direção de Marcia Paraiso, filme será exibido em sessão única na Sala de Cinema Gilberto Gerlach, no CIC

Bebidas como “chimarrão”, “tererê” e “mate”, feitas a partir da mesma planta – a Ilex Paraguariensis – e consumidas em grande parte do Brasil, têm sua origem diretamente relacionada à cultura e espiritualidade do povo Guarani. Esse é um fato, no entanto, que poucos conhecem. Com “Luta da Erva”, uma produção da Plural Filmes e direção de Marcia Paraiso, em 70 minutos é apresentado o conhecimento do preparo ancestral, da colheita no mato para o chá, tradição indígena absorvida pelas chamadas populações “caboclas” do Sul do Brasil. A pré-estreia em Florianópolis será no dia 11 de Outubro, às 19h, na Sala de Cinema Gilberto Gerlach (Centro Integrado de Cultura), com apoio do Museu da Imagem e do Som (MIS). O documentário foi realizado com recursos do Prêmio Catarinense de Cinema, da Fundação Catarinense de Cultura. A entrada é gratuita (retirada de senhas 1h antes) e, logo após a sessão, haverá debate sobre o filme com a presença da diretora, parte do elenco e da equipe da Plural Filmes. 

Filmado no outono, inverno e verão, nos estados de Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul, o documentário é inspirado  na pesquisa e livro da professora doutora Arlene Renk – “A Luta da Erva – um ofício étnico da nação brasileira no oeste catarinense”. A pesquisa, realizada entre 1987 e 1989, reuniu muitos entrevistados, entre extratores de erva mate, capatazes, donos de ervateiras e profissionais das áreas de saúde, educação e assistência social, resultando em uma primeira edição do livro, de 1997, e a 2a edição, de 2006. 

“A erva mate foi uma entre as tantas razões que me chamaram a atenção para a região Contestada entre Paraná e Santa Catarina, território rico em ervais – um dos motivos dentre tantos outros, que culminaram na guerra”, conta Marcia. De acordo com sua avaliação, com o processo de colonização e expropriação dos territórios ancestrais e tradicionais, quando indígenas e caboclos perderam suas terras e, consequentemente, o acesso às florestas, “a prática dos saberes tradicionais foram impossibilitadas”.

Além de resgatar a história da erva-mate, o documentário apresenta com profundidade diversas nuances do modo de produção atual, condições de trabalho e consequências ambientais. em contraste com o que era a  tradição dos povos originários. “Todo esse mergulho na erva-mate me mostrou elementos para compreender a dimensão de uma luta que envolve o respeito à cultura e religiosidade de um povo ancestral, a perda de territórios em um país que não fez a reforma agrária”, diz Marcia.

Em lugar dessa política, ao longo de décadas, predominou a entrega das terras para descendentes de imigrantes e foi imposto um modo de produção rural que não aceitava as culturas das populações tradicionais.

“Essa imposição incentivou a destruição das florestas de araucárias para plantio de desertos verdes de pinus e eucaliptos ou de investimentos em monoculturas”, completa.